Face a Facis

Mais informações sobre a Faculdade de Ciências da Saúde de São Paulo

Repelentes Naturais

Os repelentes naturais são essencialmente constituídos por óleos. São os mais antigos repelentes e diversas plantas já foram ou são utilizadas: essências de ervas, frutas cítricas, citronela, côco, soja, eucalipto, cedro, gerânio, hortelã e outros.
O óleo de soja (Glycine max), em concentração de 2%, inibe por aproximadamente 1 e meia horas a picada de mosquitos. Esse óleo tem também um efeito mecânico na proteção contra os insetos.
O óleo de citronela, em concentração de 5 a 100% (Cymbopogou nardus) é muito volátil e oferece uma proteção muito curta (minutos a 1 hora). O óleo de andiroba (Carapa guianenses), mesmo puro (100%) tem muito pouco efeito repelente, com proteção muito curta.
O óleo de eucalipto limão (Eucalyptus citrodora) tem como princípio ativo o PMD (p-menthane ? 3,8-diol) na concentração de 30%, tem eficácia comparada ao do DEET 30%, conferindo proteção por até 5 horas. É o produto natural mais recomendado (2ª linha para Sociedade Canadense de Pediatria), muito eficaz , mas deve ser reaplicado com maior frequência. A mistura de capim limão (Cymbopogom citratus) com o óleo de eucalipto-limão foi superior ao uso do DEET 15% com proteção por mais de 6 horas.
Segurança e Toxidade
Para os repelentes naturais e sintéticos, estudos mostram uma baixa toxicidade.
O DEET é usado a mais de meio século. Tem vida media de 25 horas e é metabolizado no fígado. Desde 1960 foram relatados 50 casos de efeito toxico grave, dos quais 75% se resolveram sem sequela. Reações leves como, prurido, urticária, irritação conjuntival e dermatite de contato podem acontecer. Vários consensos determinam que concentração de até 30% são seguras para crianças com mais de 6 meses (Academia Americana de Pediatria libera para uso acima de 2 meses).
Orientações de Uso
Para o uso em crianças considere:
a) Que é a fêmea do Aedes que transmite a Dengue e a Chicungunya e seu hábito alimentar é diurno ; é nesse período que devemos ter mais cuidado em proteger a criança.
b) Aplique o repelente nas áreas expostas, considerando que ele tem uma área de atuação de 4 cm no seu redor.
c) Aplique de modo generoso, sem receio de toxicidade, tomando cuidado com olhos e mucosas.
d) Observar com rigor os intervalos de reaplicação.
e) Aplique o protetor na roupa, que deve ser longa e o mais espessa possível.
f) Não aplique aerosol no rosto; passe na sua mão e aplique na face
g) Não aplique repelente na criança que vai dormir
Faça uso racional, mas constantes dos repentes, diminuindo o risco de seu filho ter Dengue ou Chicungunya.

Prof. Dr. Evandro R. Baldacci

  • Tags:
Compartilhe

Assine nossa Newsletter